quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Nem todos os megabytes ou terabytes pode conte-lo

Sabia que eu devia ter comprado o ultimo CD do Willie Nelson ao invés de fazer o download pirata. Hoje pela manhã, procurei no celular aquele mp3 do seu Willie Nelson... Com o fone a postos, esperando ouvir aquele violão velho ao som de uma gaita folk... De repente o som como de uma nave espacial zuiiiiiiiummmmm e...tuz tuz tuz...fiquei confuso, será que acessei outra pasta? Será que tenho musica eletrônica no meu telefone? Será? E num instante tudo fez sentido, possivelmente o cara que fez o upload do disco, colocou sorrateiramente suas composições próprias na pasta do mp3, o que é estranho por que possivelmente ninguém que tenha baixado Willie Nelson cantor country iria querer ouvir musica eletrônica, mas quem sabe, pelo menos fiquei com o som da nave espacial na cabeça, me lembrando daqueles seriados de “mostro japonês”.
Sou daqueles que ainda compra CDs, discos, livros... Gosto do contato, do cheiro do encarte, da ficha técnica, daquela foto mal tirada fazendo biquinho, ou aquele olhar compenetrado de algum gênio da musica que parece pelo olhar saber algo que você não sabe. Fico pensando megabytes tem cheiro? Ta entendo, Deus é espírito e não deve ter cheiro, ou não, Deus sabe dançar? Se dança chega a suar? Beleza, acho que viajei aqui, não justifica comprar alguma coisa por causa do cheiro, talvez algo pra comer, comida rápida fast-food. Ta não quero convencer ninguém a nada, não vendo discos, nem empresto por sinal (é bom lembrar rs).
Nem todos os megabytes ou terabytes pode conte-lo. Lembrando do download do mp3, tive que pagar por algo que seria de graça, de graça mesmo só a Graça Dele, do Eterno, do Impronunciável. Sinto o cheiro do Eterno me acalmando essa manhã, e ele fala, fala também através das vozes de muitos, hoje foi e tem sido Willie Nelson e Milton Nascimento, e sua voz é linda. Como disse Elis Regina “Se Deus tivesse uma voz seria Milton Nascimento” e eu digo talvez também a voz de Willie Nelson, pois Ele fala e fala de muitas formas, até no som inesperado de uma “nave espacial”.

A Graça para todos.

Thiago Mendes
08/2014

2 crônicas 6:18

Nenhum comentário:

Postar um comentário