domingo, 23 de agosto de 2009

O fator Jó






Todos nós em algum grau temos de passar na vida pelo que hoje chamo fator Jó, o qual me veio visitar e fez morada em minha tenda, claro que num grau eternamente menor do que o de Jó, mas com o mesmo propósito de bem vindo da parte do senhor.

O qual me entregou a um mal que em bem se tornará pela misericórdia do altíssimo. Isso meu veio quando o meu mundo de certezas incertas caiu como castelos de areia numa praia sem sol, me vi perdido em sentimentos diversos e habitado por vozes muitas, uma dor se instalou de forma a nublar o bem ainda por vir.

Tornei-me amigo de Jeremias nos dias das lamentações, companheiro de Paulo em naufrágios, com a serpente mordendo minha mão e uma corda de relacionamento prendendo meus pés.

Na hora do mal costumamos não ver o bem oculto, pois de fato ele esta oculto, não o podemos vislumbrar, a dor dilacera a esperança, mas Deus não aflige nem entristece de bom grado o coração dos homens.

A dor costuma nos levar a um profundo estado de reflexão, as lagrimas fazem da alma uma porta aberta, e Deus nos lava nesse mar de lagrimas no qual navegamos até que o bem oculto seja revelado.

Ainda espero pelo bem que é certo virá do Senhor, não duvido, e ainda vivo andando devagar nessa via ainda de lagrimas cruéis de incertezas, mas a certeza que me salva é a de que a graça de Deus me basta, e isso é tudo e tudo isso é.

Deus tem mostrado o seu amor e cuidado comigo, e isso é graça de bondade do altíssimo, te agradeço Deus, mesmo ainda não vislumbrando o bem por completo, sei que o senhor esta recolhendo toda lagrima do meu rosto, isso me basta.

Quem ler entenda.

Thiago Mendes.

*Não tive nenhuma vontade de fazer deste texto algo linear, pois ele beira a profecia dos desejos do meu coração.