domingo, 23 de agosto de 2009

O fator Jó






Todos nós em algum grau temos de passar na vida pelo que hoje chamo fator Jó, o qual me veio visitar e fez morada em minha tenda, claro que num grau eternamente menor do que o de Jó, mas com o mesmo propósito de bem vindo da parte do senhor.

O qual me entregou a um mal que em bem se tornará pela misericórdia do altíssimo. Isso meu veio quando o meu mundo de certezas incertas caiu como castelos de areia numa praia sem sol, me vi perdido em sentimentos diversos e habitado por vozes muitas, uma dor se instalou de forma a nublar o bem ainda por vir.

Tornei-me amigo de Jeremias nos dias das lamentações, companheiro de Paulo em naufrágios, com a serpente mordendo minha mão e uma corda de relacionamento prendendo meus pés.

Na hora do mal costumamos não ver o bem oculto, pois de fato ele esta oculto, não o podemos vislumbrar, a dor dilacera a esperança, mas Deus não aflige nem entristece de bom grado o coração dos homens.

A dor costuma nos levar a um profundo estado de reflexão, as lagrimas fazem da alma uma porta aberta, e Deus nos lava nesse mar de lagrimas no qual navegamos até que o bem oculto seja revelado.

Ainda espero pelo bem que é certo virá do Senhor, não duvido, e ainda vivo andando devagar nessa via ainda de lagrimas cruéis de incertezas, mas a certeza que me salva é a de que a graça de Deus me basta, e isso é tudo e tudo isso é.

Deus tem mostrado o seu amor e cuidado comigo, e isso é graça de bondade do altíssimo, te agradeço Deus, mesmo ainda não vislumbrando o bem por completo, sei que o senhor esta recolhendo toda lagrima do meu rosto, isso me basta.

Quem ler entenda.

Thiago Mendes.

*Não tive nenhuma vontade de fazer deste texto algo linear, pois ele beira a profecia dos desejos do meu coração.

sábado, 25 de julho de 2009

Incondicional





Deus nos fala de tantas formas, e hoje tem me falado de amor incondicional Ele me ama e usa sempre de graça lançando no mar do esquecimento os meus erros e pecados, Ele tem me revelado isso da maneira mais humana possível, no encontro com os outros quando você sabe do erro, a pessoa não te fala, não confessa e não pede perdão, mas mesmo assim nós imperfeitos, caídos, cheios da essencialidade do pecado ainda encontramos força pra perdoar e esquecer, somente por que se ama, se escolheu amar.


Nada é mais duro de aprender do que amar, amar é estar nu, desprotegido, sem armas e armaduras, é estar com a ferida ali exposta sangrando, todos nós humanos somos assim vamos sangrando até que Deus nos faça a semelhança do seu filho, que também sangrou naquele madeiro cruel, e nos libertou pra sempre.


E agora mortos com Cristo, vamos morrendo pro que é valor pra este mundo, pois neste mundo forte é quem odeia, passa por cima de tudo e de todos, destrói todos que vê pelo caminho, seus filhos sua esposa, marido, muito mais eles do que outros. Fomos considerados como ovelhas para o matadouro, os dias são maus, até no melhor deles reside o mal que sorrateiramente nos espreita ao derredor. Nos apossando dessa morte em Cristo vamos morrendo também para o mal.


Que nossa alegria esteja no fato de que Jesus nos tem preparado morada, moradas nos dada pela graça maravilhosa, que isso seja nosso completude. Que nunca busquemos essa completude em ninguém, que já nos deu ela é Deus, acho que por isso existe a possibilidade do “Perdoa as nossas dividas, assim como nós perdoamos os nossos devedores”. Como seria possível tal coisa senão havendo em nós a completude da sua graça e fé que é dom Dele mesmo? Ele dá a quem quer conforme sua vontade, e a vontade do filho de Deus é que todos se salvem.


Que Deus nos livre do mal.


Quem ler entenda.

Thiago Mendes

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Faça o que tu não queres, pois é tudo da lei*.







O humano sempre de baixo de tantas leis, constitucionais, morais, éticas e até leis do próprio produto de seu inconsciente, vai caminhando pela vida, alguns mortos em vida debaixo de tanto peso existencial, outros quebradores de leis arrogantes e libertinos.

Vemos sempre estes dois pólos agindo na alma humana, raramente vemos pessoas que são moderadas, que andam no caminho do meio desse pendulo.

Sendo amarrados ao cumprimento de leis para a salvação da alma, (algo que nunca é falado claramente mais é percebido nitidamente no meio religioso) acabam perecendo pelo próprio mandamento que os engana e os lança em todo tipo de hipocrisia.

Pois pela incapacidade humana de cumprir toda lei, e vivenciando na pele o seu quebramento sabendo-se condenado pela própria consciência, por que quem vive nesses parâmetros de justiças próprias será julgado pelo que julgas em si e no outro.

Vê-se cheio de neurose e desejos muitos, na mesma medida do peso do mandamento que não pode cumprir, entregando-se a todo tipo de torpeza seja na pratica física ou mental, pois em algum lugar está escrito “Quem olhar pra uma mulher com intenção impura já pecou contra ela.

Por isso estava errado Alister Crowley, e o cantor Raul Seixas que cantava a sua frase “Faças o que tu queres pois é tudo da lei”, na verdade a lei não nos leva a fazer o que realmente queremos, mais sim o que porventura não queremos.

E acaba empedrando alguns que chamam aquilo que o fazem mal de minha vontade e meu querer, estes são enganados duplamente, mas são muito menos enganados do que aqueles que se vestem de folhas de santidade aparente, mas são sem fruto e o seu destino é secar, se Deus assim quiser.

Por todas estas coisas que acima disse, digo agora à aqueles que ainda querem cumprir qualquer tipo de lei para salvação da alma: Desistam por amor à aquele que cumpriu toda lei por nós.

Sim Jesus cumpriu toda a lei por nós, encravando na cruz o escrito de divida que era contra nós e que constava de mandamentos os quais nos eram prejudiciais, libertando-nos do poder do acusador, que não tem mais o que acusar, e que agora só tem o seu poder na alma humana presa a o cumprimento de mandamentos.

Quem crê que Cristo cumpriu todo mandamento por nós, nos livrando de ter que o cumprir, nos adentrando agora gratuitamente a sua eterna salvação, pois Deus mesmo estava em Cristo reconciliando com sigo mesmo o mundo, nos pegando pela mão de uma vez, e não lançando fora nunca pois Deus não pode mentir e Ele mesmo disse: Aquele que eu tomo pela mão de modo algum o lançarei fora.

Irmãos sempre nos alegremos nessa esperança da salvação de Cristo, isso é nossa força.

E faça o que tu realmente queres, pois isso tudo é da graça.


Quem ler entenda.

Thiago Mendes

12/02/2009


(Parafraseando Alister Crowley)*

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Simplesmente simples




As coisas que de fato são verdadeiras, manifestam-se com simplicidade, pois vejo no que é simples o poder de tocar tudo que possa ser complexo aos sentidos humanos, pois o Espírito pousou como uma pomba sobre Jesus, na forma de uma simples pomba, podia ter sido uma águia de olhos rápidos e precisos, mas não.

Vejo em mim esse tocar de simplicidade que me eleva mais do que qualquer pensamento complexo nascido da introspecção mórbida da dor nascida do mundo, é com os gestos delicados daqueles que me rodeiam que mais me elevam, o abraço, o beijo com carinho perceptível, um olhar, ou mesmo as coisas da terra como, os pés nas águas calmas, o vento, as frutas, a manhã cálida, o por do sol avermelhado. Eu acho que é por assim sentir é que eu percebo que assim como aqueles que não amam os seus irmãos que vêem não podem dizer que amam a Deus que não vêem, assim também aqueles que não amam a terra que vêem não podem nunca amar a nova Jerusalém resplandecente que não vêem.

Então o que em espírito peço, não é mais para ver anjos resplandecentes, e sim poder enxergar a dor do meu próximo, e mais ainda me enxergar a mim mesmo pra nunca julgar ninguém, pois realmente quem se conhece não julga a ninguém “pois julga à si mesmo”. Então peço a dádiva de compreender o que é de fato simples, pois nos dias de hoje com está loucura de viver antes que tudo acabe, tem transformado as pessoas em seres complexos, de alma estranha e egoísta. Concentrados em si mesmo, compenetrados em seus desejos vaidosos, de sua loucura religiosa, completamente apaixonados pelo seus tesouros terrenos onde o coração deste sempre está.

Que Deus nos salve da insanidade desta presente geração, que nos livre do mal deste presente século, que dê paz neste dias de angustias, de síndromes do pânico, transtornos obsessivo compulsivo e frenesi total. Que nos encha do que é eterno, pois o que é eterno é de fato inefável mais simples ao coração.Gloria à Deus.

Thiago Mendes

27/01/2009

Belo Horizonte

MG

sábado, 17 de janeiro de 2009

Devemos, mas sem nunca dever.

Que nos deve habitar, e que resposta devemos dar ao o amor que tudo amou e se entregou numa cruz de grande dor? Pois como diz Paulo o apostolo “o que faremos a vista dessas coisas?”, pois de fato o amor não é vão como diz a canção, mas nos remete ao pleno conhecimento daquele que nos conhece plenamente, que fez as obras para nós mesmos, sendo assim algo natural, parte essencial do ser, sendo que o amar salva muito mais ao que ama do que aquele que é agraciado por tal amor.

Pois de fato Deus não nos chamou para a dissolução, pois como nós que “morremos para o pecado viveremos de novo por ele”, nos chamou sim para irmos pelo caminho nos tornando a imagem daquele que na cruz deu o grito final e consumou tudo no ato fatal, de fatalidade para a morte e o diabo, mas para nós vida e paz eterna, “pois o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele”.

Sendo assim o que podemos e devemos sem dever, é nos munir das armas de amor, de toda benignidade, bondade, mansidão, amando uns aos outros, com profundos e ternos afetos, sendo participantes dessa mesma graça, não nos lambuzando e escorregando nessa já conhecida graxa, pois os frutos dela já são conhecidos e são “A prostituição, a inimizade, as contendas, porfias, iras, dissensões, divisões, bruxarias, mandingas, a linguagem esdrúxula no vosso falar, o ódio. Das coisas quais Paulo já à muito disse que não herdariam o reino os que tais coisas praticam.

É já sabido que ninguém é salvo pelo cumprimento da lei ou da lista, pois se fosse assim seriamos os filhos da barganha, e não da graça eterna de nosso Deus que é bendito pra todo sempre, então o que aqui digo é o que já foi dito desde sempre, que Deus é amor e que nos dá gratuitamente esse amor, do qual diremos “nós amamos pois Ele nos amou primeiro”, sendo o nosso amor, caído, falho, uma sombra num espelho obscuro, e o de Deus Ele mesmo pois Ele é Amor.

O que aqui peço então?
Algo impossível?
Existe impossíveis pra Deus?
Se Ele quiser transformar todos na sua imagem, gratuitamente?
Que resposta daremos a esse amor?

Sei que digo isso como aquele que constrói sobre alicerce alheio, mas não me impedi de assim o fazer, pois tudo o que digo, o digo pra mim mesmo, pois antes de qualquer um eu sou o que mais precisa dessa verdade.

Nele, que me possibilita revelar minha sensatez insensata.

Thiago Mendes